29 de out de 2012

6

Abandono

Posted in










Não se pode ter a vida
Sem a certeza de ter a morte
Não posso ter um amor
Se não laçada na própria sorte

Duplicidade de sentimentos
Amar a dois trazer a vida
Dúvidas eternos tormentos
Elevar a tristeza sentida

Não pode haver felicidade
Se for imposta a condição,
Será de espontânea vontade
A escolha traçada em vão

Um coração tão pequeno
Cabe dentro tanto amor,
Decido aqui ao sereno
Ter você mesmo que em dor

Eu posso ver o caminho
Deixei aquele que me amava,
Não sabia que sozinho
O restante eu caminhava

Habilidosos enganos sábios
Um detalhe teria então
Deleito-me em teus lábios
Mas não moro em seu coração...



6 comentários:

  1. Gleyce! É um drama que você narra! Uma tragédia em versos, um abandono sincero.
    Amei particularmente:
    "Decido aqui ao sereno
    Ter você mesmo que em dor"
    Traduz o verdadeiro sentimento que não pede nada...
    Como sempre, gostei imenso!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Dulce,fico lisonjeada por sua importante opinião. Estou construindo o próximo poema em trilogia. espero que goste!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adoro a ideia, Gleyce! Cá estarei para ler atentamente! Estou convencida que será notável, como tudo o que tenho lido da sua escrita até agora.
      Abraço!

      Excluir
  3. É assim mesmo: dúvidas acompanham o amor, e parece que só há felicidade com pelo menos um pouco de dor...
    Gostei do poema!
    Bjss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela compreensao Monique. Este tipo de reflexao que inspira nossas escritas. bjoo

      Excluir