16 de out de 2013

2

Lançamento de Sempre Vai Haver Uma Canção - Quando nada Mais Importa -

Posted in
Meu livrito será lançado na Livraria Leitura do BH Shopping no dia 9 de novembro as 15 horas!!!
Estou mais que ansiosa e espero que gostem da continuação de Sempre Vai haver Uma canção!!


Título: Sempre Vai Haver Uma Canção – Quando Nada Mais Importa –
Autora: Daiane Duarte
Editora: Multifoco
Edição: 1° / 2013
ISBN: 978.85.8273.371.4
Páginas: 264



   
    Como a música pode mudar a sua vida?
    Como conviver com um passado cheio de culpas e remorso?
    Como ser feliz após destruir os sonhos de alguém que se ama?

     Encontre as respostas lendo Sempre Vai Haver uma Canção- Quando Nada Mais Importa -
   Um livro envolvente que conta a história de uma jovem universitária que após perder a mãe para um câncer é obrigada a conviver com o pai que sempre fôra ausente.
    Ela amadurece diante dos nossos olhos e aprende lições que lhe serão úteis durante a vida inteira.
    Podemos pegar carona neste aprendizado, aprendendo assim através dos olhos dela o sentido do amor e da família e a quebrar as barreiras do orgulho e do preconceito para preservar uma grande amizade.
    O livro destaca também uma parte da sociedade que ainda vive esquecida no nosso país. Os surdos hoje não tem uma estrutura educacional apropriada. Apesar de LIBRAS ser o segundo idioma oficial do país desde 2004, ainda não vemos nenhuma melhora. Órgãos públicos e privados continuam a não oferecer um atendimento adequado para essas pessoas.
    Uma personagem importante no livro destaca estas dificuldades de uma forma simples que tenho certeza que tocará o coração do leitor e quem sabe possa atingir seu maior objetivo que é o de conscientizar as pessoas.
    
     O que fazer quando nada mais importa?
     Encontre a resposta ou se perca nos transtornos de uma mente cercada por belas canções.

Conto com a presença de todos vocês neste dia tão importante




Livraria Leitura BH Shopping




2 comentários:

1

Grilhões

Posted in





Me encontro em falência
Estou inteira e enfraquecida
Perdi toda minha descência
Já nem posso ser corrompida

Me transformaste em desvaneio
Me moldaste segundo seus feitos
Partiu o que era ao meio
Tirou minha vida por direito

Convencida a me doar por completo
Suportei viver escravizada
A submissão era um decreto
Mesmo não sendo amada

Mas no fim vi que era pretexto
Resolvi me soltar e sozinha sofrer
Desvincular-me do seu contexto

Enfim, não há nada a temer





1 comentários: